Agenda do Samba & Choro

O amor no Quintal do Cosme

Google
Web samba-choro.com.br
 Página principal » Artigos e Debates » O amor no Quintal do Cosme

Receba grátis nosso informativo:


35994 assinantes
Exemplo | Cancelar | Trocar email Notícias enviadas às terças e sextas.



Assine em um leitor de notícias RSS


Se você gosta de nosso trabalho, nos apóie se tornando um Amigo do Samba-Choro.

O amor no Quintal do Cosme
Publicado por Urariano Mota em 29/10/2008 às 22h56
»Versão para impressão
O prazer imenso que é uma visita ao Quintal do Cosme, lugar de chorões e amantes do choro do todo o grande Recife.

Os dados físicos indicam que o Quintal do Cosme fica na Estrada da Batalha, 4218, Prazeres, Jaboatão, Pernambuco. O Quintal é mesmo um quintal com mangueiras em uma casa simples. Ali se pode e se deve ir a partir das 13 horas, sempre aos domingos, duas vezes por mês. “Domingo, sim, domingo, não”, informa-nos a filha do fundador.

O que os dados físicos não dizem é que ali há concertos de música, encontros de chorões e amantes do choro. Com uma característica rara: os músicos ali tocam de graça. Minto, os músicos ali pagam para tocar, porque eles mesmos pagam o que bebem e o que comem ao fim. E que músicos! que maravilhosa velha guarda. Por isso os tais dados factuais, da notícia, jamais explicarão que ao Quintal se vai e se entra ao som de “Sofres porque queres”, ou de “Doce de Coco”. Os 5 Ws da notícia não podem explicar por que estou até agora sob o impacto do que ouvi no último domingo. Murmurando, Naquele tempo, Vibrações, Um a Zero, Flamengo, vontade tenho de escrever somente com nomes de choros.

No bandolim há um homem, um músico negro de 84 anos, de apelido Chocho, que me fez dizer: “se Deus existe, quando eu tiver 84 anos, eu quero estar como seu Chocho”. E não disse nem que gostaria de ser como seu Chocho, porque não se pode abusar da infinita misericórdia divina. Chocho toca bandolim, violão, cavaquinho, compõe, e sorri, quando um acorde mais feliz o acompanha. O riso dele é tão bom quanto a sua genialidade. Chocho gargalha, quando uma mulher o beija, na face. “Tenho mais de 100 composições”, ele me diz, “mas tenho que contar uma por uma, pra ter certeza”. Ao redor dele tocam Josué no violão, Geraldo no canto e no cavaquinho, Ronaldo no surdo, Tozinho no cavaquinho. Na tarde em que me encontro, chegam músicos mais jovens, como Rogério na flauta, e mais Vlaudemir, no clarinete.

Atenção para este nome: Vlaudemir. É um novo Felinho. Ele incendeia o público quando toca Na Glória, e de tal maneira que é como se ouvíssemos a composição pela primeira vez. O que para nós é graça, para ele é dedicação plena, trabalho no fogo, pois que fica rubro, do pescoço ao rosto. E porque tal ardor lhe dá prazer, emenda com Brasileirinho, para mais vermelho ficar. Respira, agradece os aplausos, e ataca com “Saxofone, por que choras?”. Se eu pudesse traduzir em palavras o que ele faz com o clarinete, eu diria que ele alterna graves, gravíssimo, agudos, agudíssimos no choro. Em um mesmo clarinete parecem tocar dois músicos, como se fossem dois encarnados em um só Vlaudemir. Então anotei no meu surrado caderninho, com os olhos rasos d’água: esse virtuosismo tem um nome, FELICIDADE.

Mal refeito do abalo, eis que a trupe, os músicos de corda atacam em conjunto Naquele Tempo. Não sei, desse jeito este ateu que lhes fala ainda vai acreditar que existe Deus no céu. Naquele Tempo tocado por Chocho, Josué, Geraldo, Tozinho, para me expressar em português educado, é uma cópula coletiva. Quando entram os violões e o bandolim ferindo as cordas, dentro de mim acende-se a certeza de que esses devassos fazem um assalto coletivo ao amor. Novos hunos amorosos, eles exibem a mais funda alegria de tocar. De tocar nas cordas e em toda a gente. São e somos todos tomados por sua alegria. Alegria de suas conquistas, que eles dividem, multiplicam, somam. O acompanhamento das cordas por vezes é tão bom, que deixa de ser “acompanhamento”. Se essas cordas acompanham, então todos entramos em uma festa acompanhados por Chaplin. Quero dizer, esse acompanhamento jamais será coadjuvante. Os músicos não competem entre si, eles se completam assim como os braços acompanham as pernas, o peito, o rosto, o coração.

Em resumo, amigos, esta é a notícia: no Quintal do Cosme eu vi o amor coletivo. E para minha alegria aprendi que um amor assim não é promíscuo.


<  | Frevo para todos os sentidos  >

 

Comente esse artigo

Letras miúdas: Os direitos e responsabilidade dos comentários a seguir são de quem os postou.

Patamar de qualidade dos comentários:  Salvar
Re: O amor no Quintal do Cosme
por JULIO CESAR FERNANDES VILA NOVA em 30/10/2008 às 17h00 #
Bela descrição de uma tarde no Quintal do Cosme. É isso mesmo, Urariano, mais uma vez você consegue traduzir bem a emoção da boa música em palavras certeiras! Tive a satisfação de conhecer o lugar há alguns (poucos) anos, quando o velho Cosme ainda estava entre nós. Que maravilha ouvir tanta coisa boa, da valsa ao choro, do samba ao frevo-de-bloco, por um time de cobras que está sempre por lá.
Justíssimas considerações sobre Chocho e Vlaudemir. Duas feras! Quanto ao clarinetista, nós, do Bloco Cordas e Retalhos, temos o orgulho de dizer que ele é um músico da nossa orquestra (foi um dos fundadores,aliás!), nos acertos de marcha edesfiles do bloco, no carnaval.
Também temos a alegria de contar com seu talento no Cordão Carnavalesco Satírico Etílico Libidinoso Bacia d'Água.
[Responda este comentário]

Re: O amor no Quintal do Cosme
por WALTER JORGE DE FREITAS em 08/11/2008 às 09h48 #
Moro no interior, mas vivo procurando uma brecha para conhecer o famoso QUINTAL DO CHORO. Alguns amigos meus, também chorões, freqüentam e dizem maravilhas. Assisti há dias um documentário sobre o mesmo e gravei. Vez por outra, vejo novamente. URARIANO, li esse seu artigo no Blog DIRETO DA REDAÇÃO e imprimi, pois achei o seu conteúdo muito rico. Agora, aparece JÚLIO - o carnavalesco - falando sobre o choro. A música é impressionante, independentemente de gênero, toca direto ao coração. PARABÉNS. WALTER JORGE DE FREITAS PESQUEIRA-PE
[Responda este comentário]

Re: O amor no Quintal do Cosme
por Alana Dias em 02/10/2010 às 11h39 #
Olá.

Encontrei ontem (01/10), na Vila Madalena, a carteira de um músico de 22 anos.
Nao consegui encontra-lo em nunhuma rede social. Mas o google encontrou o nome dele neste site.
Chama-se GIANCARLO CORREA DE SOUZA DA SILVA.
Na carteira há sua carteirinha da Ordem dos Musicos do Brasil, descrito: Especialidade - contrabaixista, violinista e cavaquista; genero: popular.
Em sua CNH, diz naturalidadde CACONDE-SP.

Alguem o conhece?
Poderia avisá-lo.

Obrigada,

Alana
[Responda este comentário]

Comente esse texto
(É preciso um rápido cadastro para participar)

Letras miúdas: Os direitos e responsabilidade dos comentários acima são de quem os postou.

Se você quiser escrever (ou moderar), clique aqui para se identificar.


Notícias | Casas com música | Artistas | Tribuna Livre | Artigos e debates | Fotos | Partituras | Compras | Amigos do Samba-Choro | Busca

Receba notícias sobre samba e choro por email:

Contato | Privacidade | Sobre este sítio
©Copyright 1996-2017
Samba & Choro Serviços Interativos LTDA
(Todos os direitos reservados).