Agenda do Samba & Choro

Viriato figueira da silva

Google
Web samba-choro.com.br
 Página principal » Artistas

Peço, em nome de tantos que dedicam-se á pesquisa, que tenham pelo menos o respeito de citar esta fonte.No mínimo ponham o nome do site: samba-choro.com.br.


VIRIATO FIGUEIRA DA SILVA nasceu em Macaé em 1851 e tornou-se um ás da flauta no Rio de Janeiro de seu tempo, ocupando lugar de destaque entre o grandes criadores de sua época, vindo a falecer em 1883 aos 32 anos.

Fundador de uma escola "chorona" que teve como artífices seus grandes amigos Joaquim Callado, Luizinho, Juca Valle e muitos outros, sempre foi reverenciado pelos principais musicos do país, principalmente pelos chorões que legaram dessa turma a maneira exímia, fogosa, malemolente e tão nossa de tocar.

Criador principalmente de polcas, foi dos primeiros que se tem noticia de ter feito uma polca em tom menor.

Foi aluno de Henrique Alves de Mesquita, compositor, maestro, trompetista e organista, um dos musicos mais atuantes do seculo 19, criador do tango brasileiro, um dos gêneros formadores do choro. Viriato foi um dos primeiros solistas de saxofone no Brasil.

Com a morte de Callado em 1880, passou a integrar o conjunto "Choro carioca" no lugar do amigo aos 29 anos, até falecer três anos depois.

A importancia de viriato é enorme na formação do idioma do choro. Compositor da primeira geração, um dos pais do "abrasileiramento" da polca européia tão em voga na corte daquele tempo, instrumentista popular de festas, saraus e bailes mas também destacado integrante de orquestras. Teve uma atuação muito forte como podemos notar em depoimentos sobre ele feitos na década de 30 e em manuscritos de suas musicas em cadernos de chorões de 50 anos depois de seu desaparecimento. Suas musicas são um verdadeiro legado do nascimento desse gênero musical brasileiro.

Segundo o professor e flautista Pedro de Assis, Viriato "empreendeu com grande êxito artístico e financeiro uma tournée ás capitais nortistas algum tempo depois de ter feito a mesma digressão o maior flautista do mundo, o célebre Mathieu-André Reichert".

Em 2001 completaram-se 150 anos de nascimento deste grande musico, neste período Viriato teve suas musicas tocadas e gravadas por mestres e aficcionados do choro. Até aproximadamente a década de 30 era o papa da flauta brasileira, ao lado claro de Callado, todos chorões tinham em mente a grandiosidade deste musico. Depois vieram Pattapio Silva, Pixinguinha, Benedito Lacerda, Altamiro Carrilho e passaram a ser lembrados com mais frescor de memória e com muito merecimento. Mas estes virtuosos sempre legaram a Viriato o lugar supremo no panteão da flauta no Brasil.

Apesar de poucas noticias sobre sua vida(sabe-se que morou na rua Ana Néri no Rio de Janeiro)a sua lembrança está viva nas musicas que compôs e no assombro que causou em seu tempo e ficou impregnado em gerações e mais gerações de chorões.

Ruben Gonçalves Almeida Pereira - Rúben Pereira
Violonista (nascido em Macaé-RJ)


01. Apostila "O Choro" vol. 1- Mauricio Carrilho e Anna Paes
02. Caderno "Princípios do choro 1"- Anna Paes e Animal
03. "Histórias da velha Macaé" - Antonio Alvarez Parada




Antigo texto biográfico aqui escrito:

Grande flautista da primeira geração do choro. Nasceu em Macaé, estado do Rio de janeiro no ano de 1851, estudou no conservatório de música do Rio de janeiro e se tornou compositor memorável de polcas como a entitulada "Só para moer" que foi a primeira polca em tonalidade menor de que se tem noticia, foi grande amigo de Callado(1848-1880) com quem estudou no conservatório e de Henrique Alves de Mesquita(1830-1906), atuando frequentemente em orquestras sob a direção deste maestro.

Viriato foi dos primeiros a se destacar como solista de saxofone no Brasil, porém sempre deu mais espaço em sua vida para a flauta, seu contato com o saxofone nos leva a crer que foi obra do maestro Henrique Alves de Mesquita já que este estudou no conservatório de Paris em 1857 mesmo ano em que o inventor do saxofone, o belga Adolfo Sax, foi nomeado professor de saxofone daquela casa.

Viriato Figueira da Silva(1851-1883)virtuoso da flauta, exímio solista de saxofone, compositor visionário, um ás da matriz de nossa música.

Segue adiante alguns pequenos textos recolhidos sobre vida e obra deste mestre:

*Do livro "histórias curtas e antigas de Macaé" do saudoso Antonio Alvarez Parada lê-se na história 177:

"Um dos macaenses menos conhecidos de seus conterrâneos é Viriato Figueira da Silva, aqui nascido em 1851 e falecido, ainda muito jovem, no Rio de janeiro, a 24 de abril de 1883. Mas quem foi Viriato? Músico. Autor da polca-canção "Só para moer", incluída no "álbum de músicas do império", relativo à evolução musical do Rio de janeiro no periodo 1830-1885, Viriato nele figurou ao lado de Candido inácio da silva, Francisco Manurl da Silva- o compositor do hino nacional brasileiro- Alves de Mesquita, João F. Leal, Xisto Bahia- o grande ator -J. da Silva Callado, Manoel Joaquim Maria, José Soares Barbosa e a célebre Chiquinha Gonzaga. Seu grande mérito, porém, foi o relacionamento com o choro. São do maestro Baptista Siqueira estes conceitos: "Tem havido muita confusão sobre esse termo porque certas palavras têm sido escritas sem a necessária reflexão de quem as utiliza. Choro, nesse caso, vem de choro nas cordas. Não há qualquer dúvida quanto a esse aspecto... O conjuto é típico da Guanabara e surgiu das atividades de dois excelentes flautistas: CALLADO e VIRIATO".Sobre Viriato Figueira da Silva, em acrécimo à sua importancia histórica na música popular brasileira, cabe anotar ser ele o autor de "Caiu? Não disse?", surgido quase ao mesmo tempo do antológico "Äpanhei-te cavaquinho", de Ernesto Nazareth, ambos inicialmente rotulados de polcas-serenatas, ou seja, polcas de movimento muito rápido a serem executadas em serenatas."

Rúben Pereira
violonista


Notícias | Casas com música | Artistas | Tribuna Livre | Artigos e debates | Fotos | Partituras | Compras | Amigos do Samba-Choro | Busca


Contato | Privacidade | Sobre este sítio
©Copyright 1996-2017
Samba & Choro Serviços Interativos LTDA
(Todos os direitos reservados).