Agenda do Samba & Choro

Murilão da boca do mato

Google
Web samba-choro.com.br
 Página principal » Artistas

DA BOCA DO MATO PRA FEIRA E PRO SAMBA



Murilo de Oliveira, nascido no Rio de Janeiro, o “Murilão”, antes de tudo um compositor do samba; do partido alto, ao samba exaltação, mais de 300 composições, muitas gravadas por cantores e compositores como Martinho da Vila, Almir Guineto, Zeca Pagodinho, Quinteto em Branco e Preto, Almirzinho, JB Samba, e ai por diante. No começo, Diretor de Bateria da "Aprendizes da Boca do Mato" depois adentrou inclusive no terreiro “Azul e Branco” no Salgueiro (A Azul e Branco) é uma das três escolas de samba formadoras do Salgueiro aonde conheceu Almir entre outros bambas. Contemporâneo de grandes sambistas, João Nogueira, Roberto Ribeiro, Mussum, Beto sem Braço, Wilson Moreira, Luverci, Zé Kéti, Silvio Modesto, Jangada.
Compositor de Sambas Enredo foi campeão na Perola Negra, Imperio do Cambuci, Camisa Verde e Branco, Renascença da Lapa, Império da Casa Verde e festival de MPB na Sabesp Faz parte da Velha guarda da Perola Negra de Pinheiros.
Seus grandes sucessos são Minha Fé, Laranjeiro, Mãe África, Jatobá, e outros
Tem seu lado folclórico, é uma lenda viva das famosas "pernadas" de Lucas no Rio de Janeiro. Engraxate, doqueiro, feirante, punguista, contraventor de jogo do bicho, só quem tinha tempo de sobra participava das reuniões, e apostas eram feitas pra se ganhar ou perder o dia.
Partideiro histórico nas rodas de partido alto ganhou de Martinho da Vila o apelido de "perna bamba”, ou seja, um grande jogador de "pernada" espécie de capoeira jogada pelos bambas nos guetos cariocas. Em que participavam os grandes batuqueiros chamados de "pernas” como Timboca, Juarez, Ailton Cuiqueiro, todos da Boca do mato, e Valdô Tigre, da Agua Santa, Jonjoca e Xisto da Cachoeirinha entre outros , Bacalhau, Waldir Lua, Tidoca Cabuçu.
A roda começava e a famosa batucada, samba pesado, ginga pra lá ginga pra cá, a roda abre, o malandro ia buscar o cara lá fora e trazia para o meio, pra meter pernada nele, então se via neguinho subir um metro de altura, e então o cara descia e esborrachava no chão, muitas vezes já querendo achar a navalha escondida pra riscar o oponente, mas só ficava em pé quem era bom mesmo, bom de pernada, bom de ginga, bom de samba, tudo calangueado pra provar quem ficava na moral virava o “encarregado” da turma, quem dava ordens, quem arrepiava só de aparecer... Murilão diz que nunca voltou amassado pra casa!
Aqui em São Paulo existiam as “umbigadas” similares as do Rio. E também marginalizadas pela policia.
Foi um dos fundadores da Rua do Samba, da General Osório junto com Miguel da Contemporânea (recém falecido) todos sábados surgiam grandes sambistas de São Paulo do Rio, e a versação começava na batida do pandeiro, e as platinas faziam um burburinho devagar, devagarinho, fraquinho ia saindo, só ficava gente grande como Armando da Mangueira, Boca nervosa, Capri, Silvio Modesto ate tudo terminar numa cerveja gelada ou então nas famosas Caldeiradas de Mocotó que Murilão fazia pra um batalhão, acostumado que estava a fazer grandes feijoadas nas Escolas de Samba. Trabalhou na noite de São Paulo em shows de boates como na What News na Augusta, no Classik Snooker na Bela Vista, Na Versailhes centro, Barril de Chopp Santo Amaro, no teatro Lira Paulistana das rodas de samba, Participou do famoso bar do Jogral na decada de 70, com artistas como Nelson Cavaquinho, Martinho, Paulo Vanzolini, Nara Leão e muitos outros.
Já fez shows com Ze Keti, Almir Guineto e Silvio Modesto,Airton Santamaría, Nelson Primo, Toniquinho Batuqueiro, Germano Matias,Geraldo Filme, e conhece todos grandes sambistas brasileiros, participou do programa Ensaio da TV Cultura, junto com Martinho , e nas rodas de samba é conhecido como . Freqüentemente canta em bares da noite Paulistana como Ó do Borogodó,Villa do Samba, Traço de União, Bar Mangueira, Bar do H, Casa da Bia, e também em shows da Prefeitura de São Paulo na Secretaria da Cultura e no Circuito Sesc, aonde faz apresentações esporádicas. Mas é um dono da noite
Se alguém quiser conhece-lo, ainda hoje aos sábados aparece e da uma canja nos bares locais, mas acabaram as rodas de partido alto e os famosos Panelões do Murilão. Ou então ir la na Padaria do seu Alberto na Vila Santa Maria e acompanhar uma vez por mês o Samba da Berinjela, aonde Dona Teresa faz a Bringela e Murilão faz o samba, que continua mesmo quando a Bringela acaba.


Notícias | Casas com música | Artistas | Tribuna Livre | Artigos e debates | Fotos | Partituras | Compras | Amigos do Samba-Choro | Busca


Contato | Privacidade | Sobre este sítio
©Copyright 1996-2017
Samba & Choro Serviços Interativos LTDA
(Todos os direitos reservados).