Agenda do Samba & Choro

Aldir Blanc

Google
Web samba-choro.com.br
 Página principal » Artistas

ALDIR BLANC MENDES, compositor, nasceu na cidade do Rio de Janeiro (RJ) no dia 2 de agosto de 1946.

Nasceu no bairro do Estácio, tendo residido também na Tijuca. Começou a compor na adolescência, época em que também aprendeu a tocar bateria. Foi como baterista que tocou no Teatro Azul e participou do grupo Rio Bossa Trio, que, com a inclusão de seu parceiro Silvio da Silva Jr., passou a se chamar GB-4. Em 1966, ingressou na Faculdade de Medicina, onde se especializou em Psiquiatria.

Em 1968, sua composição A NOITE, A MARÉ E O AMOR (parceria com Silvio da Silva Jr.) foi uma das classificadas no III Festival Internacional da Canção (FIC). No II Festival Universitário de MPB (FUMPB), no Rio de Janeiro (RJ), em 1969, classificou três músicas: NADA SEI DE ETERNO (parceria com Silvio da Silva Jr.), interpretada por Taiguara, MIRANTE (parceria com Cesar Costa Filho), interpretada por Maria Creuza, e DE ESQUINA EM ESQUINA (com Cesar Costa Filho), interpretada por Clara Nunes. Em 1970, classificou DIVA (parceria com Cesar Costa Filho) no V FIC, e AMIGO É PRA ESSAS COISAS (com Silvio da Silva Jr.) no III FUMPB. Nessa época, integrou o Movimento Artístico Universitário (MAU) com seus amigos de bairro (Cesar Costa Filho, Gonzaguinha, Ivan Lins e Marco Aurélio), que pretendia maior divulgação da música brasileira.

Ainda em 1970, conheceu João Bosco, um de seus parceiros mais importantes e com quem conheceu os primeiros sucessos. Em 1971, Elis Regina gravou BALA COM BALA (primeiro sucesso da dupla). Em 1972, lançaram AGNUS SEI, interpretada e acompanhada ao violão por João Bosco, no primeiro Disco de Bolso, do semanário O Pasquim. Em 1973, foi lançado pela RCA um LP em que João Bosco interpreta composições da dupla. Em 1974, Elis Regina lança outro LP pela Philips, incluindo novas composições da dupla: O MESTRE-SALA DOS MARES; DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ e CAÇA À RAPOSA.

Ainda em 1974, Aldir Blanc foi um dos fundadores da SOMBRÁS, entidade destinada a defender compositores e direitos autorais. Em 1975, saiu pela RCA o LP "Caça à Raposa", de João Bosco, com DE FRENTE PRO CRIME, KID CAVAQUINHO e outras, além daquelas lançadas por Elis Regina, que também gravou um dos maiores sucessos da dupla: O BÊBADO E A EQUILIBRISTA, em 1979.

Abandonou definitivamente a Medicina em 1973 e fundou, em 1979, a Sociedade do Artista e Compositor Independente (SACI). Em 1983, rompeu sua parceria com João Bosco. Com sua criatividade, riqueza e fluidez verbal, nem sempre é fácil encontrar um compositor que se adeqüe à poesia de Aldir. Teve vários outros parceiros, como, por exemplo, Maurício Tapajós, com quem compôs a bela QUERELAS DO BRASIL, entre várias outras obras. Foi ainda com Maurício Tapajós que Aldir se aventura como intérprete num LP independente (hoje raro), em 1984.

Outros parceiros constantes de Aldir são Moacyr Luz e Guinga. Leila Pinheiro grava, em 1996, o disco "Catavento e Girassol", exclusivamente com composições da dupla Guinga/Aldir Blanc. Ainda em 1996 foi lançado o disco comemorativo "Aldir Blanc - 50 Anos", com diversas participações especiais. Nessa época, foi convidado por Marcelo Vianna, neto de Pixinguinha, para colocar letra em quatro músicas inéditas do avô.

Cronista do jornal carioca O Dia (desde 1995) e de O Estado de São Paulo (desde 1996), publicou livros, entre eles: Rua dos Artistas e Arredores (1979), Brasil Passado a Sujo (1993), Vila Isabel - Inventário de Infância (1996) e Um Cara Bacana na 19ª (1996). Também foi encenado em 1999 o musical Aldir Blanc, Um Cara Bacana, escrito por Cláudio Tovar.

**extraído da Enciclopédia da Música Brasileira 2ªed. (ART-Publifolha - 1998)


Notícias | Casas com música | Artistas | Tribuna Livre | Artigos e debates | Fotos | Partituras | Compras | Amigos do Samba-Choro | Busca


Contato | Privacidade | Sobre este sítio
©Copyright 1996-2017
Samba & Choro Serviços Interativos LTDA
(Todos os direitos reservados).